Wednesday, 5 December 2012

José Rangel - Lactário (1960)

“Deixei vir a mim as criancinhas”
Dorida soluça a Vida:
Almas níveas,
Boquinhas mimosas,
Pálidas de sofrer
À mingua de leite;
Mães chorando
De pungente amargura,
Luto nas almas,
Desespero...

Luz bruxoleante
Ilumina o negrume;
Nasce a esperança
Em corações que sofrem.

Jovens em flor,
Sedentos do Ideal,
Filhos da Ciência
Que arranca a Vida
Dos braços da Morte,
Almas abertas
À dor dos que gemem,
Lutam e criam.

Apoia a humanidade
A cruzada bendita.

Grão de mostarda
Lançado à terra,
Germina e floresce
Em árvore frondosa
Que alimenta e achonchega.

Sorriem as crianças,
Alegram-se as mães,
Ilumina-se o lar,
Eleva-se o mundo...

Palpitam corações
De eterna gratidão.

Jovens altivos,
Ardentes, sonhadores...
Vibrando de alegria,
Estuando de amor.
Vivem uma das horas
Mais belas
Da Vida.

No comments:

Post a comment