Monday, 18 February 2013

Alberto de Menezes Rodrigues - O Divino Infante e o Bom Ladrão (1968)

No seu castelo Dimas agasalha
A sagrada família fugitiva,
Que, uma noite chuvosa, ele encontrou
Nos arredores, toda apreensiva.

Manhã seguinte, sobem ao terraço,
Onde respiram brisa muito pura
Dimas toma o menino nos seus braços
E conta-lhe coisinhas com ternura.

Apontando um cabrito que pastava
Não muito longe e era branco e belo
Diz que o dá ao Menino para que Ele
Se lembre da hospedagem do castelo.

Jesus sorri suavemente a Dimas
E afaga-o com a sua rósea mão;
Agradecendo desta sorte a oferta
Que era feita pelo bom ladrão.

Na tarde, despedindo-se o Menino
Seus braços põe sobre o ladrão amigo
Que ouve, então uma voz: “a tua morte
Sem gloriosa; morrerás comigo”.

Quase trinta e três anos decorreram...
No Calvário, Jesus em agonia
Reconhecendo ao lado o bom ladrão
Levava-o, termo em sua companhia...

No comments:

Post a comment