Thursday, 30 August 2012

Lino Abreu - Criação de Amor e de Ciúme (1968)

Cioso de mundo,
Do rir profundo
Que nele havia,
Um deus, um dia,
Meditabundo
Ao vale fundo
Duma alta serra
Desceu
Do céu
À leda Terra.

E ali, irado,
Transfigurado
Em um vulcano
No ódio insano
Só, ao luar,
Entrou a malhar
Setas ervadas
Que disparadas
Fossem ferir
O homem a rir;

Grave, colheu
A luz ao céu
Ao vinho a cor
O aroma à flor
E na ira ardendo
Foi os tecendo
À luz da Dor.
Co’o rubro ardor
Do fogo
E logo
Nasceu o Amor.

A noite escura
Pede a negrura;
À alma doentia
A hipocondria
Rouba tristuras
As sepulturas
E logo, horrendo,
À luz da lua
Co’a força crua
Dum fino gume,
E então
Na mão
Rugiu o Ciúme.

Assim quis um deus um dia
Rir-se de quem muito ria.

No comments:

Post a comment