Monday, 15 July 2013

Clara de Menezes - Travo de Amargor (1977)

Gosto de estar na penumbra no presente,
Queima-me a ardente luz do teu olhar,
Sei que não é propósito magoar
Quem te adora até perdidamente.

O meu coração disso se ressente,
Mas não posso fugir ao duro azar,
Que anda a açoitar o nosso quente lar,
Com máscara a fingir-se alvinitente.

Estou na escuridão sem alvorada,
Que bela será a rósea madrugada
Se me vier tirar deste torpor!

Sei conquistar a real felicidade,
Lutar contra a maré da adversidade,
Mas evitar o travo de amargor!

No comments:

Post a comment