Friday, 3 June 2011

Augusto do Rosário Rodrigues - Flor de Lama (1966)

A Vassanta Colvalcar


Flor da lama e do vício, arremessada
No imenso e turvo mar de Desventura
A Filha de Ninguém – triste enjeitada
Para matar a fome fez-se impura...

Vinte anos! Mas beleza já fanada
O olhar mortiço, os lábios sem frescura
Qual farrapo rolando pela estrada
Aos pontapés da gente, em noite escura

Um dia, para uma hora de pecado
Um homem – Ó cinismo atroz do Fado –
A procurara... Mas... – Não posso, Vai!


(Dissera ela com ódio, com sarcasmo)
- Tu, maldito, que me olhas cheio de pasmo,
Culpa tens do que sou, pulha! És meu pai!

No comments:

Post a comment