Monday, 20 June 2011

Cyrano Valles - Clareira de amor (1966)

Homem!
Porque tanta ira
No teu coração?
Porque tanta mentira?

Não nasceste
Para atiçar
As chamas do ódio
E da vingança,
Não. Não nasceste
Para cultivar
A seara do Mal
Mas sim para amar
A Vida inteira
O Verbo feito flor e carne.

Desperta, irmão,
Do teu negro torpor!
Abre uma clareira de amor
Nas trevas da tua condição
E sê, na verdade, o escultor
Da tua própria perfeição.

No comments:

Post a comment